27/11/2014

Manifesto em Defesa do Programa Vitorioso nas Urnas. Não à Kátia Abreu e Joaquim Levy

Nós que somos de esquerda estamos unidos em defesa do governo da presidenta democraticamente reeleita, Dilma Rousseff, especialmente diante da escalada conservadora no Congresso Nacional e da tentativa da oposição de forçar um terceiro turno. No entanto, nós que somos de esquerda e lutamos pelas causas sociais não abdicamos do direito de fazer críticas quando elas são necessárias.
Os rumores de indicação de Joaquim Levy e Kátia Abreu para os ministérios da Fazenda e Agricultura já causam constrangimento e desgaste com as forças que ajudaram a reeleger a presidenta.
Temos uma dívida histórica e compromisso com a questão das demarcações de terras indígenas e da reforma agrária, que vão de encontro aos interesses representados pela senadora Kátia Abreu, liderança do agronegócio no Congresso. A possível indicação de Joaquim Levy, que no governo Lula foi ponto de resistência a medidas de linha social, também aponta para uma regressão da agenda progressista.
Os brasileir@s disseram sim a mais participação popular nos rumos da política, ao crescimento econômico com inclusão social. É hora de a presidenta Dilma reafirmar seu compromisso com as causas sociais, sem temer as forças conservadoras que ambicionam a retomada do Poder e que agora tensionam para impor seu projeto de atraso derrotado nas urnas. A presidenta Dilma não precisa temer, porque tem o respaldo da maioria dos brasileiros que a reelegeram e querem a ampliação dos direitos dos trabalhadores e não a regressão social.
Está circulando na internet o Manifesto em Defesa do Programa Vitorioso nas Urnas, assinado por mais de 60 intelectuais, ativistas e movimentos sociais. Eu já assinei. Assine você também.

José Eduardo Cardozo que sofre"fogo amigo e inimigo" vai permanecer no Ministério da Justiça, no 2º mandato de Dilma

IsaacAmorim/AG.MJ               :


Ministro José Eduardo Cardozo, da Justiça, se queixa da gritaria de tucanos contra sua linha de atuação e também de petistas incomodados com o desenrolar da Operação Lava Jato; segundo ele, o caso não tem coloração partidária; "Eu vi nomes de pessoas da base aliada e da oposição envolvidos. Ao que tudo indica, existe uma situação que atinge várias forças políticas", afirma; Cardozo deve permanecer no cargo no segundo mandato.

Com Brasil 247.
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Juiz da Ficha Limpa receberá título de cidadão imperatrizense

Marlon Reis: agora um grande maranhense que orgulha o Brasil
                Ainda em 2013, o nome do juiz de Direito Márlon Reis foi indicado para receber a maior honraria oferecida pela Câmara Municipal, mas o título não pôde ser entregue. A cerimônia de entrega acontece na próxima quinta-feira (27), às 19h, no auditório do Palácio do Comércio e Indústria de Imperatriz.
O projeto de indicação é de autoria do vereador Rildo Amaral (Solidariedade) e, por unanimidade, foi aprovada pelos 17 vereadores presentes na sessão ordinária, que consideram uma honra a oportunidade de conceder homenagem a Reis.
“É uma honra para essa casa aprovar o título de Márlon Reis, um dos grandes nomes pela moralização da política brasileira, que depois da aprovação da Ficha Limpa, agora luta pela reforma política de iniciativa popular”, garantiu o vereador Carlos Hermes (PCdoB) durante a votação.
Rildo destaca que o magistrado é reconhecido mundialmente pelos serviços prestados no combate à corrupção. “Márlon está entre as dez personalidades mais influentes do nosso país e poucas pessoas sabem, mas mora em Imperatriz. Esta é uma forma de homenagear e garantir que temos orgulho de tê-lo em nossa cidade”.
               
Trajetória – Natural de Pedro Afonso (TO), o magistrado residiu pela primeira vez em Imperatriz entre 1982 e 1983 e formou-se em direito pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) em 1993. Em 1997 se tornou juiz de direito, e desde então, trabalhou e residiu em Passagem Franca, Riachão, Olho d'Água das Cunhãs, Alto Parnaíba e Itapecuru-Mirim. Em 2008 veio para a Comarca de João Lisboa, sendo autorizado pelo Tribunal de Justiça a residir em Imperatriz.
Em 2002, idealizou e fundou, juntamente com lideranças sociais, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), que deu origem à Lei 9840, que combate a compra de votos e o uso da máquina administrativa durante o período eleitoral e a Lei da Ficha Limpa, que em seu primeiro ano em vigor, tirou mais de 900 candidatos com problemas judiciais da disputa eleitoral.

Atualmente, junto ao MCCE e entidades como a OAB, CNBB, UNE e mais de 100 organizações da sociedade civil, trabalha na mobilização para a conquista do seu maior objetivo: a mudança do sistema eleitoral brasileiro por meio de uma reforma política de iniciativa popular.

26/11/2014

A Kabbalah pra esta semana

Pra pensar e agir:
"A INVEJA É UM SENTIMENTO QUE DESTRÓI SOMENTE AQUELE QUE A SENTE E DESTILA."
Bom dia minha gente!

Bomba, bomba,bomba: Fraude da Pesca no Maranhão- Deu no Estadão, Veja, Exame e Jornal Nacional

O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,comerciantes-e-ate-servidor-publico-estao-entre-os-beneficiados-imp-,1596682O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,comerciantes-e-ate-servidor-publico-estao-entre-os-beneficiados-imp-,1596682
Conforme o nosso Jornal Pessoal noticiou há alguns dias, a imprensa nacional denunciou os deputados Kleber Verde, Junior Verde e Edson Araújo de fraude na pesca do Maranhão. O Jornal 'O Estado de São Paulo", as revistas Veja e Exame e o Jornal Nacional da TV Globo denunciaram a fraude escandalosa da pesca no Maranhão. Veja matéria da EXAme abaixo:
Um mês antes do início da campanha eleitoral, o Ministério da Pesca alterou norma interna e permitiu que carteiras de pescador, antes confeccionadas pela Casa da Moeda, fossem emitidas em papel comum. A medida permitiu que, desde junho, as próprias superintendências da pasta nos Estados, a maioria controlada pelo PRB, confeccionassem os documentos, que dão direito a salário durante os cinco meses do defeso e outros benefícios.
Irmãos Verde, na foto com o ministro da Pesca, estariam a frente de esquema no Maranhão.
Irmãos Verde, na foto com o ministro da Pesca, estariam à frente de esquema no Maranhão.
As carteiras impressas em papel moeda tinham uma marca d’água para evitar fraudes – uma proteção que as confeccionadas em papel comum não dispõem. O PRB, ligado à Igreja Universal, comanda a pasta desde março de 2012, quando o senador Marcelo Crivella (RJ) foi nomeado ministro. Ele deixou o cargo para disputar o governo do Rio. O ministério é chefiado hoje pelo pastor Eduardo Lopes, também do PRB e suplente de Crivella. A sigla trabalha para manter a pasta no próximo mandato de Dilma Rousseff. Das 27 superintendências, 17 estão sob a chefia de filiados e dirigentes do partido.
No Acre, a Polícia Federal e o Ministério Público investigam denúncia de que houve um derrame de carteiras no período eleitoral para pessoas que não praticam a atividade pesqueira. A distribuição teria beneficiado Juliana Rodrigues de Oliveira e Alan Rick, respectivamente eleitos deputados estadual e federal pelo PRB. Até março, doutora Juliana, como é conhecida, foi superintendente estadual do ministério. Ela já havia, sem sucesso, disputado uma eleição, antes de ocupar o cargo.
A Polícia Federal já tomou depoimento de eleitores que receberam as carteiras cinco dias antes das eleições – parte deles assentados da reforma agrária. Eles disseram ter vendido o voto em troca do benefício. A investigação está sob sigilo. O registro do pescador é como um “cheque pré-datado”. O seguro-defeso, que garante salário no período em que a pesca é proibida, só pode ser recebido um ano após a emissão da carteira. Há exigências como comprovação por meio de relatório da atividade pesqueira. O documento dá direito a linhas de crédito bancário e aposentadoria especial.
Dados do ministério mostram que, no Acre e no Maranhão, o número de carteiras emitidas no período eleitoral supera o dos demais meses. De agosto a outubro, foram confeccionadas 30.177 carteiras no Maranhão, mais que as 22.581 dos sete meses anteriores do ano.
A Polícia Federal tem 14 inquéritos abertos no Estado para apurar irregularidades no pagamento do seguro-defeso ou na distribuição de carteiras. O Ministério Público informou que tramita um recurso no Tribunal Regional Eleitoral relacionado à distribuição das carteiras, também sob sigilo. O número de pescadores artesanais registrados no País hoje é de 1.005.888. Dados do Ministério do Trabalho mostram que, de abril a setembro, o número de requerentes do seguro da pesca chegou a 281 mil – foram 198 mil no mesmo período de 2013. A pasta não informou quais Estados tiveram maior crescimento.
O material jornalístico produzido pelo Estadão é protegido por lei. Para compartilhar este conteúdo, utilize o link:http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,comerciantes-e-ate-servidor-publico-estao-entre-os-beneficiados-imp-,1596682

25/11/2014

Para Tarso Genro, eleger Cunha é o início do fim da aliança do PT com o PMDB



Em entrevista à “Agência Estado“, o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT) argumenta que uma eventual eleição do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para a Presidência da Câmara dos Deputados pode significar um rompimento entre PT e PMDB. O parlamentar já declarou oposição ao governo da presidenta Dilma Rousseff.

“A possibilidade de eleição de Eduardo Cunha para a Presidência da Câmara – e aqui não estou fazendo nenhum juízo moral sobre ele – leva o PMDB a uma situação de alta contradição política”, disse.

Para ele, caso o partido não reestruture sua hegemonia interna para tornar-se um aliado de governo, a aliança vai acabar.

“Não é que eu queira, é uma constatação”.
Leia a íntegra AQUI!

Bomba, bomba, bomba: Presidente do TSE, indicado pelo PT, conspira para derrubar Dilma no tapetão?

Teoria conspiratória?
Teoria conspiratória?
Presidente do TSE, em 'sorteio' e às pressas, conduz ministro abertamente contra o PT para relatar contas de campanha da presidenta Dilma. O que está por traz?
Só o Sombra sabe o que se passa no coração dos homens, dizia uma antiga história em quadrinhos.
Isto posto, fora o Sombra, ninguém tem condições de dizer o que se passa no coração de Dias Toffoli, do STF – exceto ele mesmo, naturalmente.
Essa questão ganhou vulto nas últimas semanas, depois que Toffoli foi colocado no  centro de uma alegada conspiração para derrubar Dilma no tapetão.
O maior propagador dessa tese é o jornalista Luiz Nassif, segundo quem Toffoli estaria aliado a Gilmar Mendes e a Sergio Moro, o responsável pela operação Lava Jato.
Respeito e admiro Nassif, em quem reconheço um pioneirismo no jornalismo digital alternativo à grande mídia, mas não consigo ver sentido nessa suposta conspiração.
Gilmar é Gilmar, um juiz que se guia por intensa raiva do PT, mas Toffoli parece ser de outra natureza.
Colunistas conservadores sempre o criticaram por conta de antigos laços com o PT, embora ele tenha tido mão pesada, como todo o STF no conjunto, no julgamento do Mensalão.
Toffoli, que além de pertencer ao Supremo é presidente do TSE, foi incluído no suposto complô por causa de sua atitude na questão das contas de Dilma.
O exame das contas estava entregue a um juiz do TSE que se aposentou. A substituição poderia ter sido acompanhada por Dilma, mas ela viajou para a Austrália para a reunião do G-20.
Toffoli não esperou que Dilma voltasse, e sorteou um novo relator para examinar as contas. Deu Gilmar, que como Toffoli acumula o Supremo e o TSE.
É verdade que foi um tremendo azar: Gilmar, é claro, fará tudo para enxergar problemas graves nas contas de Dilma.
Mas, concretamente, do que pode ser acusado Toffoli? Em essência, ele cumpriu sua obrigação no TSE. Apenas não esperou Dilma.
Mas por que haveria de esperar? Por motivações políticas? Um momento: ele está no TSE e no Supremo para fazer política ou para fazer — ou ao menos tentar fazer — justiça?
Para aceitar a tese da conspiração golpista, você tem que supor que o sorteio foi forjado, e aí o roteiro sugere muito mais ficção do que realidade.
É virtualmente impossível imaginar Toffoli e Gilmar juntos em qualquer coisa que fuja das atividades em comum que têm no Supremo.
Agora mesmo: Toffoli tem defendido vigorosamente o fim do financiamento privado das campanhas eleitorais, e Gilmar está do lado oposto.
Há meses Gilmar segura uma emenda que trata exatamente desse assunto.
De resto, a tese do golpe fraqueja também no seguinte. Gilmar é apenas um voto entre sete integrantes do TSE.
Ainda que ele crie problemas, faltariam mais três votos para reprovar as contas.
Não parece haver clima para golpe jurídico de nenhum tipo. Até porque o Supremo, por onde o processo teria forçosamente que passar, tem o comando sereno e equilibrado de Lewandowski, um juiz que nada tem da inconsequência perigosa de Joaquim Barbosa.
As especulações em torno de Toffoli parecem estar ligadas sobretudo à polarização que divide o país e pode criar fantasmas do que a qualquer outra coisa.
Só o Sombra sabe o que se passa no coração dos homens, repito.
Mas, dada esta ressalva, Toffoli não está  fazendo nada além de cumprir suas obrigações de presidente do TSE.
Com o site Diário do Centro do Mundo.
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Flávio Dino anuncia nomes para Central de Licitação, Assessoria Especial e Jucema

Flávio Trindade: militância de esquerda
Mais indicados para a equipe de governo de Flávio Dino foram conhecidos nesta segunda-feira (24). Através das redes sociais, ele anunciou novos nomes que vão compor administração estadual a partir de 1º de janeiro. O advogado Paulo Guilherme Araújo assumirá a Comissão Central de Licitação, o empresário Sérgio Sombra será o presidente da Junta Comercial do Estado do Maranhão (Jucema) e Karla Trindade será chefe da Assessoria Especial do governador.

Para a Jucema, a próxima gestão estadual pretende modernizar e aprimorar o trabalho do órgão, como forma de contribuir com o novo momento que o Maranhão vai viver. Entre os desafios do presidente, dar mais velocidade e reduzir a burocracia na abertura de empresas, agilizar a integração de diversos órgãos de registros, entre os quais as Receita Estadual, a Federal e as Prefeituras. O objetivo dessas ações é fazer com que o prazo de registro seja mais curto, sem abrir mão da segurança.

Sob o comando de Paulo Guilherme, a CCL atuará, em parceria com os demais gestores públicos indicados pelo governador eleito, nos processos licitatórios de contratação de serviços e aquisição de produtos para os órgãos da administração estadual com objetivo de combater o desperdício de dinheiro público. No novo governo, a CCL, dentro do que permite a legislação, também deve trabalhar no incentivo a participação de empresas maranhenses nos processos de contratação, como forma de fomentar o desenvolvimento local com geração de emprego e renda. A CCL atuará em parceria com a Secretaria de Transparência e Controle e com celeridade sem prejuízo a segurança jurídica. 

Conheça o perfil dos novos indicados:

PAULO GUILHERME DE ARAÚJO – Comissão Central de Licitação 
Paulo Guilherme é advogado, pós-graduando em Gestão Pública: Políticas e Gestão Governamental pela Escola Paulista de Direito (EPD). Atuou como Chefe de Gabinete da Embratur e presidente substituto do órgão. Foi também Chefe de Gabinete da Secretaria Executiva do Ministério do Esporte, secretário Executivo Substituto do Ministério e assessor do Ministro do Esporte. Na Prefeitura de Nova Iguaçu (RJ), desempenhou as funções de secretário Adjunto de Esporte, secretário Adjunto de Assistência Social e Gestor do Fundo Municipal de Assistência Social e foi membro da Coordenação do Programa Bairro Escola. Fez parte da coordenação financeira da campanha que elegeu Flávio Dino governador em outubro de 2014.

SÉRGIO SOMBRA – Junta Comercial do Estado do Maranhão
Sérgio Sombra é empresário e possui graduação em Economia (UFMA). Especialista em Gestão de Empresas (ESPM) e Marketing de Varejo (FGV), ele é conselheiro do OGMO-ITAQUI 2014-2017 e diretor da Associação Comercial do Maranhão (ACM-MA).

KARLA TRINDADE – Chefe da Assessoria Especial do governador
Karla Trindade auxiliará o governador eleito no acompanhamento das metas estabelecidas pela gestão. Já ocupou o cargo de vereadora de Aracaju (SE), período que foi presidente da Comissão de Finanças da Câmara. Atuou também como secretária de Governo da Prefeitura de Aracaju. Foi militante da União da Juventude Socialista (UJS), da qual foi membro da direção nacional. É da direção estadual e municipal do PCdoB. Foi coordenadora da campanha que elegeu Flávio Dino governador do Maranhão em primeiro turno.  

Flávio Dino anuncia nomes de mais três auxiliares para equipe de governo

Negra e mulher: Tatiana confirma o perfil revolucionário do governo Flávio Dino.

O governador eleito Flávio Dino anunciou nesta segunda-feira (24) os nomes de mais três auxiliares para compor a sua equipe de governo. O 42º comunicado, divulgado através das redes sociais, oficializou os nomes de Delma Andrade para a Secretaria de Turismo, Tatiana Pereira para o comando da pasta da Juventude e José Reinaldo Tavares para a Secretaria de Minas e Energia.

Sob o comando de Delma Andrade, a pasta de Turismo terá a responsabilidade no cumprimento de metas estabelecidas através do Programa de Governo de Flávio Dino. Entre elas, a de investir na estruturação e na promoção de todos os polos de turismo interno e internacional atualmente explorados no Maranhão. Os investimentos serão voltados aos seguintes segmentos: sol e praia; ecoturismo e turismo de aventura; cultura; negócios e eventos. 

A Secretaria de Juventude terá atenção especial na administração estadual a partir de 1º de janeiro. Tatiana Pereira assumirá a pasta com o desafio de implementar o Plano Estadual de Juventude, trabalhar de forma integrada junto aos demais órgãos da administração direta e indireta no fomento a políticas públicas de juventude e, também, incentivar a atuação do Conselho Estadual de Juventude. Além disso, com o alto índice de homicídio de jovens no Estado, atuará na implantação de políticas públicas para melhoria dos índices sociais, com estímulo a geração de emprego e renda. 

Sob o comando de José Reinaldo Tavares, a Secretaria vai atuar em parceria com os demais órgãos do Estado na articulação e acompanhamento de políticas públicas na área de minas e energia. Entre os objetivos da Secretaria está promover o desenvolvimento econômico do Estado com foco na geração de emprego e renda e, consequente, melhoria de vida da população maranhense. 

Como diretriz do novo governo, fazer do gás natural um grande indutor do desenvolvimento do Maranhão, atraindo empresas, emprego e renda em busca de energia mais barata. Além disso, cuidar do aproveitamento do grande potencial que tem o estado na produção de energia renovável - eólica e solar. 

Conheça o perfil dos novos indicados:

TATIANA DE JESUS FERREIRA PEREIRA - Secretaria de Juventude
Tatiana Pereira é formada em Engenharia de Pesca (Uema) e tem pós-graduação em Engenharia Sanitária e Controle Ambiental. É mestranda em Sustentabilidade de Ecossistema pela UFMA. Impulsionada pela mãe, Raimunda Ferreira Pereira – defensora das causas sociais da área do Coroadinho, milita há 15 anos em movimentos sociais. Tatiana participou do grupo de base da Juventude Unida em Cristo da Comunidade do Bom Jesus (JUCBJ), auxiliou na criação da Rede Jovens do Nordeste e foi coordenadora do Núcleo Maranhão. Integrou a Associação de Difusão Comunitária e Popular, tendo participado da discussão da fundação da Rádio Comunitária Conquista – hoje faz parte da direção do veículo. Foi presidente do Diretório acadêmico do Curso Engenharia de Pesca. Ela fez parte da criação do Fórum Municipal da Juventude de São Luís e do Fórum Estadual de Juventude do Maranhão. Militante da União da Juventude Socialista (UJS). Atualmente, integra a Rede de Educadores Populares do Nordeste, é suplente do Conselho Estadual da Mulher. É militante também de movimentos de bairros, na luta por políticas públicas de educação, saúde e segurança no Pólo Coroadinho, da União Brasileira de Mulheres (UBM) e filiada ao PCdoB. 

DELMA SANTOS DE ANDRADE – Secretaria de Turismo
Delma Andrade é graduada em Turismo (UPIS), especialista em Gestão e Marketing do Turismo (UNB) e mestre em Antropologia Social (UNB). Há 20 anos atua no planejamento e gestão pública e privada do turismo brasileiro em nível nacional e internacional. Foi professora do curso de Turismo em renomadas instituições de ensino superior. É coordenadora-geral de Estruturação e Acompanhamento de Produtos do Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur). Atualmente, está como diretora substituta de Produtos e Destinos da Embratur. Na carreira profissional, atuou também como consultora em Planejamento e Gestão Pública do Turismo no Instituto Marca Brasil (IMB), foi coordenadora técnica em Projetos de Cooperação Técnica Internacional da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) e Embratur. 

JOSÉ REINALDO TAVARES – Secretaria de Minas e Energia
José Reinaldo é engenheiro civil pela Universidade Federal do Ceará. Ainda estudante, atuou na Companhia Energética e no Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem do Ceará. Na carreira profissional, exerceu importantes cargos, entre eles, o de auxiliar de Ensino de Materiais de Construção da Escola de Engenharia (UFC), diretor de Máquinas da Oficina Central e Diretor da Divisão de Conservação de Estradas do DAER, diretor-geral do DER-MA, secretário de Viação e Obras e de Planejamento do Maranhão. Foi também ministro dos Transportes, deputado federal, vice-governador e governador do Maranhão. Na eleição de outubro, foi eleito deputado federal pelo Maranhão. 

24/11/2014

KOTSCHO: “CERCO A DILMA LEMBRA GETÚLIO”

247 - "Dilma não é Getúlio, eu sei, o Brasil e o mundo não são os mesmos de 60 anos atrás, mas há muitas circunstâncias e personagens bem semelhantes nestes distintos períodos da vida nacional", escreve o jornalista Ricardo Kotscho, em seu blog.
O jornalista enumera os fatos em comum das duas épocas e lembra que é no terceiro volume da biografia do ex-presidente que o jornalista cearense Lira Neto "mostra o cerco formado por forças civis, militares e midiáticas contra Getúlio Vargas". Era este o livro que a presidente Dilma Rousseff carregava na mão ao descer do helicóptero no Alvorada, quando retornou a Brasília, depois de alguns dias de folga numa praia da Bahia, observa Kotscho. 
Ele compara os dois períodos: "A grande diferença é que, agora, os militares estão recolhidos às suas tarefas constitucionais, e não dão o menor sinal de apoio aos Bolsonaros da vida, que reencarnaram Carlos Lacerda na avenida Paulista". Leia seu texto:
60 anos depois, cerco a Dilma lembra Getúlio
Se a presidente Dilma Rousseff já terminou de ler o último volume da trilogia de Lira Neto sobre Getúlio Vargas, editado pela Companhia das Letras, deve ter bons motivos para ficar preocupada nesta entressafra entre o seu primeiro e o segundo governo.
Talvez isso explique a indecisão dela para anunciar os integrantes da nova equipe econômica, como demonstrou a dança de nomes cogitados para o Ministério da Fazenda nesta semana que chega ao fim, mantendo o suspense no ar.
Era este o livro que a presidente carregava na mão ao descer do helicóptero no Alvorada, quando retornou a Brasília, depois de alguns dias de folga numa praia da Bahia, logo após sua vitória apertada na eleição de 26 outubro.
É neste terceiro volume que o brilhante jornalista cearense Lira Neto mostra o cerco formado por forças civis, militares e midiáticas contra Getúlio Vargas, que começou antes da sua posse, e botou fogo no país, na segunda metade do seu governo constitucional (1951-1954), levando-o a se matar com um tiro no peito.
Dilma não é Getúlio, eu sei, o Brasil e o mundo não são os mesmos de 60 anos atrás, mas há muitas circunstâncias e personagens bem semelhantes nestes distintos períodos da vida nacional.
Não por acaso, o nome de Carlos Lacerda, o comandante em chefe da guerra contra Getúlio, nunca foi tão lembrado numa campanha eleitoral como nesta última.
Pintado pelos adversários como "O Corvo", com muita propriedade, Lacerda ressuscitou nos discursos e nas manifestações contra a reeleição de Dilma Rousseff, durante e após a campanha de 2014, que mobilizou os setores mais conservadores do empresariado e da imprensa, a serviço de múltiplos interesses estrangeiros, exatamente como aconteceu na tragédia de 1954.
Não por acaso, também, um dos principais focos da campanha contra o então presidente da República era a Petrobras, por ele criada sob controle estatal, após longa batalha no Congresso Nacional.
O papel que era da UDN (União Democrática Nacional) de Carlos Lacerda foi agora alegremente assumido pela aliança da oposição liderada por PSDB-DEM-PPS, que trouxe de volta, com Aécio Neves, até o mote do "mar de lama", para atacar a presidente, o PT e a Petrobras, a bordo do discurso sobre o "maior escândalo de corrupção da nossa história".
Extinta pela mesma ditadura militar-cívico-midiática de 1964, que ajudou a implantar, dez anos após a morte de Getúlio, a UDN voltou às ruas de São Paulo no último dia 15 de novembro, pedindo o impeachment de Dilma e a volta dos mesmos golpistas ao poder, empunhando as mesmas bandeiras de sempre, contra a corrupção e a inflação.
Foi neste dia comemorativo da Proclamação da República que, em Roma, no café Ponte e Parione, ao lado da Piazza Navona, terminei de ler o livro de Lira Neto e, embora tendo diante de mim algumas fas imagens mais bonitas do mundo, não conseguia deixar de pensar no que estava acontecendo no nosso Brasil naquele preciso momento. Passado e presente se confundiam na minha cabeça e confesso que fiquei deveras impressionado com tantas coincidências.
A grande diferença é que, agora, os militares estão recolhidos às suas tarefas constitucionais, e não dão o menor sinal de apoio aos Bolsonaros da vida, que reencarnaram Carlos Lacerda na avenida Paulista. Além disso, o país não está paralisado por greves orquestradas para encurralar Getúlio pela esquerda e pela direita. E, pelo menos até onde a minha vista alcança, não há tropas americanas se mobilizando para apoiar qualquer movimento contra a democracia que vigora forte em terras brasileiras.
A história costuma dar muitas voltas para voltar ao mesmo lugar, mas não precisa ter necessariamente os mesmos desfechos. Fiz algumas anotações sobre o que têm em comum estes momentos conturbados, separados por seis décadas:
* Os jornais O Globo e O Estado de S. Paulo, então alguns dos protagonistas da ofensiva da mídia armada contra Getúlio, continuam os mesmos, nas mãos das mesmas famílias, a desafiar o resultado das urnas e a vontade da maioria _ simplesmente, não aceitam mais um período do PT no Palácio do Planalto, completando, ao final do mandato de Dilma, 16 anos no poder.
* A TV Tupi, primeira e única emissora de televisão brasileira nos tempos de Getúlio, que abriu câmeras e microfones para Carlos Lacerda detonar o presidente e seu governo todas as noites, ao vivo, em horário nobre, teve o mesmo destino da UDN e fechou as portas faz tempo, mas os métodos dos Diários Associados de Assis Chateaubriand sobrevivem em outros veículos do grupo, como o jornal O Estado de Minas mostrou na campanha passada. Com maior ou menor sutileza, outras emissoras de TV, a começar pela toda poderosa Globo, que dominaram o mercado após o golpe de 1964, cumprem mais ou menos o mesmo papel nos governos petistas.
* A revista semanal Veja e seus escribas alucinados reproduzem os melhores momentos da Tribuna da Imprensa, criada e comandada por Lacerda, que foi o porta-voz oficial e amalgamou as forças reunidas para a derrubada de Vargas.
* A flácida base parlamentar montada por Getúlio em tudo lembra a de Dilma, embora ambos tivessem maioria no Congresso Nacional, balançando entre contemplar direita e esquerda em seus ministérios, para se equilibrar no centro, provocando assim sucessivas crises políticas e econômicas.
* O PT de Dilma e Lula, com todas as suas contradições e divisões internas, está cada vez mais parecido com o PTB de Getúlio, com o PMDB agora no lugar do velho PSD das oligarquias regionais.
A lista do que há em comum é grande, e eu poderia passar o resto do dia aqui escrevendo sobre isso. Antes de concluir este texto, porém, é necessário registrar outra grande diferença: ao contrário de Getúlio, que tinha a Última Hora, de Samuel Wainer, a seu lado, Dilma não conta com a boa vontade de nenhum veículo da grande imprensa para mostrar e defender as conquistas do seu governo, que também existem.
Dizem que a história só se repete como farsa, mas é bom Dilma tomar cuidado. Recomendo a leitura desta bela obra do Lira Neto, não para assustar ninguém, mas para vocês entenderem melhor o que está em jogo, agora como em 1954. Foi o que aconteceu comigo.
Que Dilma e nós tenhamos melhor sorte.
Com 247.
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Observatório da Imprensa receberá Flávio Dino nesta terça-feira, 25

Um dos mais respeitáveis jornalista do Brasil: Alberto Dines, que entrevistará Flávio Dino.
Nesta terça-feira (25), o Observatório da Imprensa – TV Brasil receberá o governador eleito do Maranhão, Flávio Dino. Com os jornalistas Alberto Dines e Ancelmo Gois, o programa vai ao ar às 20h (19h no Maranhão).

A entrevista deve abordar as circunstâncias que levaram Flávio Dino à vitória no dia último dia 5 de outubro, quando derrotou o candidato escolhido pelo grupo Sarney, e analisar o cenário político, social e econômico do estado dominado por uma dinastia proprietária de jornais e de redes de telecomunicações.

Flávio Dino foi eleito governador do Maranhão em 1º turno com 63,52% dos votos válidos. Ele é advogado e professor da UFMA. Foi juiz federal, presidiu a Associação Nacional de Juízes Federais (Ajufe) e foi secretário-­geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Aos 38 anos, renunciou a carreira de juiz para se dedicar à política. Em 2006, foi eleito deputado federal pelo PCdoB, sendo o primeiro parlamentar a ser escolhido quatro anos seguidos para a lista de mais influentes do Congresso em Foco. De 2011 até o início de 2014, assumiu a presidência da Embratur, órgão responsável pela promoção turística do Brasil no exterior.

Da assessoria.
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.

Nelsinho torna-se vereador de São Luís, Cézar Bombeiro, do Novo PT, poderá ser o próximo

O primeiro suplente de vereador do PT, Nelsinho, acaba de assumir na Câmara de São Luís, na vaga de Honorato Fernandes. Cezar Bombeiro , agora, torna-se o próximo vereador do PT para assumir.

Urgente: O que está acontecendo com a Dilma?

Companheiros, o que está acontecendo, alguém pode me explicar?

Vão indicar patrão para o Ministério da Educação também ?

Katia Abreu para Ministra da Agricultura nem que a VACA TUSSA!

Banqueiro para o Ministério da Fazenda nem que a VACA TUSSA!

Presidente da Caixa Económica Federal, Presidente do Banco do Brasil e seus respectivos diretores QUE EMFRAQUECAM OS BANCOS PÚBLICOS - NEM QUE A VACA TUSSA!

Será que a Presidenta Dilma Rousseff do PT e o PT lutaram contra a Ditadura quando eram jovens para fazer isso ?

O PT AINDA TEM ALGUMA IDEOLOGIA ?

O PT quer unidade da esquerda ou subserviência ?

O PT se interessa em fazer REFORMA AGRÁRIA E REFORMA TRIBUTARIA COMO JUSTIÇA SOCIAL indicando certas pessoas para o Ministério da Agricultura e para o Ministério da Fazenda ?

Até quando o MST e as CENTRAIS SINDICAIS vão aceitar não serem ouvidos e respeitados nas indicações como a KATIA ABREU para o Ministério da Agricultura e de um Banqueiro para o Ministério da Fazenda ?

12 anos sem Reforma Agrária e a indicação de uma pessoa da BANCADA RURALISTA para o Ministério da Agricultura vão fazer o MST ficar CALADO ?

As Centrais Sindicais vão aceitar Banqueiro no Ministério da Fazenda ?

22/11/2014

Lula Fylho desbanca Rodrigo Marques e assume a Semgov

lula-fylho-e-dino

Lula Fylho e o sucessor em encontro com Flávio Dino.

O prefeito Edivaldo anunciou nesta sexta-feira (21) a escolha de Lula Fylho como novo secretário municipal de Governo. Lula Fylho exercia a titularidade da Secretaria Municipal de Turismo (Setur) e foi anunciado para o novo cargo após o pedido do ex-secretário de Governo, Rodrigo Marques, de afastamento da função.

Lula Fylho é administrador de empresas com pós-graduação em Didática e em Gestão de Pessoas e mestrando em Administração. Desde janeiro do ano passado, ele estava à frente da Setur e agora assume o comando da Secretaria de Governo.

No lugar de Lula Fylho, o prefeito Edivaldo anunciou o nome de Guilherme Marques como secretário de Turismo. Guilherme Marques ocupava o cargo de secretário adjunto e ao ser nomeado titular reafirmou a disposição na continuidade do trabalho desenvolvido na pasta.

Guilherme Marques é formado em Administração de Empresas e possui vasta experiência no setor de turismo, onde trabalha há mais de 20 anos. É sócio-diretor da Glacymar Turismo e foi presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens do Maranhão (ABAV-MA) de 2009 a 2013.

Do Marrapá-Leandro Miranda, confira aqui!
Enviado por Eri Santos Castro.
Compartilhe.